Pesquisa para Relatório Global de Saúde da OMS — Revista Autismo

No Brasil, estudo está sendo realizado pelo Instituto Ico Project e UFPR

Com a participação de mais de 50 países, a Organização Mundial da Saúde (OMS), em conjunto com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), está fazendo uma pesquisa global para coleta de dados sociodemográficos do perfil de crianças e adolescentes com atrasos no desenvolvimento e suas famílias. O resultado constará no Relatório Mundial da Saúde, que será apresentado em reunião da Organização das Nações Unidas (ONU). Será a primeira vez que dados relacionados ao Brasil farão parte deste importante instrumento. Por isso, a relevância histórica da sua realização. (pesquisa encerrada em 3.out.2020)

Com colaboração do Instituto Ico Project (Brasil) e da fundação Autism Speaks (Estados Unidos), todos os países responderão o mesmo relatório, o que possibilitará análises comparativas entre países e continentes. No Brasil, a responsabilidade técnica da coleta de dados é de Fátima Minetto, professora titular do departamento de educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

De 3 de setembro a 3 de outubro, o acesso à plataforma para coleta de respostas estará disponível no Instagram e Facebook do @icoproject e também no site da Revista Autismo (acesse pelos QR-code  e links). Passada essa data, os pesquisadores iniciarão as análise para que até dezembro possam submeter à OMS. 

“A relevância da pesquisa, além do caráter histórico, permitirá que a comunidade possa exigir políticas públicas dentro das necessidades concretas dessa parcela da população. O relatório poderá apontar, por exemplo, que há regiões do país com maior acesso a diagnóstico e intervenções, que outras. Poderá indicar se dentro dessas famílias, algum de seus membros parou de trabalhar para de dedicar aquele com atrasos no desenvolvimento”, explicou Elyse Mattos, fundadora do Instituto Ico Project.

“É sabido que a construção de políticas públicas sempre toma por base dados concretos. Assim, em 2019, a comunidade do autismo pressionou o congresso nacional e governo para que houvesse 2 questões relacionadas ao autismo no próximo Censo. Dado de grande valia, todavia, incompleto para possibilitar a construção de políticas de saúde e educação adequados, uma vez que não trará dados socioeconômicos detalhados”. Cientes disso, o Instituto Ico Project e a UFPR buscaram seus parceiros internacionais e aderiram a esta oportunidade de pesquisa mundial. 

Acesse a pesquisa por este QR-code usando a câmera de um celular ou clicando aqui.

O âmbito e alcance são nacionais. Assim, quanto maior o número de respostas, maior a fidedignidade dos resultados apresentados no relatório. Por isso, é de suma importância a participação em massa da comunidade.

Importante ressaltar que a pesquisa abrange todos os atrasos de desenvolvimento, como: autismo, deficiência intelectual, síndrome de down, síndromes genéticas, transtorno global do desenvolvimento, atrasos da comunicação, paralisia cerebral, transtorno de déficit da atenção com hiperatividade (TDAH), epilepsia,  entre outros.

“Contamos com sua preciosa ajuda na divulgação dessa pesquisa. Além disso, oportunamente, divulgaremos os resultados para que toda a comunidade relacionada passe a ter acesso a esta poderosa ferramenta para buscar melhores condições de intervenções e qualidade de vida”, contou Elyse.

A pesquisa (encerrada em 3.ou.2020) pode ser acessada online ou no site da Revista Autismo e redes sociais do Ico Project ou diretamente apontando a câmera do seu celular para o QR-code desta página.

Aproveite e responda também a pesquisa Genial Care e Revista Autismo.

>> Link para a pesquisa: (encerrada em 3.ou.2020)

Ícone: peça de quebra-cabeça - Revista Autismo

Site do Instituo Ico Project: icoproject.com.br
Facebook: facebook.com/institutoicoproject
Instagram: instagram.com/icoproject

Leia também

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

*